Estamos todos à procura da felicidade?

Quem não lembra das dificuldades enfrentadas pela personagem de Will Smith no filme “A Procura da Felicidade”? Chris Gardner, pai solteiro e desempregado, é despejado de seu apartamento e sem dinheiro se vê obrigado a viver em abrigos com seu filho. A única oportunidade que lhe aparece é um estágio não remunerado numa empresa de prestígio, a qual ele agarra como um naufrago aos destroços em mar aberto.

O que pouca gente sabe é que essa história retratada há 10 anos nesse filme de sucesso e também em livro, é real. Christopher Paul Gardner, atualmente empresário norte-americano bem sucedido, investidor, corretor da bolsa, palestrante motivacional, escritor, filantropo, fundador e CEO da Gardner Rich & Co, localizada em Chicago, onde mora atualmente, enfrentou imensas dificuldades e desafios que passaram a servir de inspiração para milhões de pessoas no mundo inteiro. O empresário juntamente com seu filho de dois anos saiu da pobreza extrema vivendo na rua e em abrigos para hoje ter uma fortuna estimada em 600 milhões de dólares.

 

O pico das dificuldades

Diferente do que mostra o filme, Gardner passou todo o tempo do estágio sem poder ver o seu filho que havia sido levado com a mãe durante os 10 dias que esteve preso por não pagar multas de trânsito. Certo dia, quando Chris já estava em liberdade, Jackie, a ex-esposa apareceu com Christopher (seu filho) com pouco mais de um ano e meio no colo (no filme o menino tem cerca de 5 anos) e uma bolsa com um papel dando instruções de como cuidar dele. A partir de então, Chris Gardner, começa um período onde as dificuldades aumentaram desastrosamente.

 

Administrando recursos

Todo o tempo Chris usava o bom senso econômico para administrar o pouco que tinha e cuidar do filho, comer e ir para o trabalho, local que também serviu muitas vezes para dormir. Nessa fase Chris e seu filho dormiram nos lugares mais inusitados de se imaginar. Pai e filho dormiram muitas noites debaixo da mesa da empresa que Chris trabalhava (Chris precisava se levantar antes dos colegas chegarem, ir até o banheiro, lavar o rosto, dar um livro de pintar ao filho e começar a trabalhar antes de todos); na grama de uma praça em San Francisco e no banheiro da principal estação da cidade onde se trancava e pedia ao filho que fizesse silêncio quando alguém batesse na porta.

 

O auxílio – ninguém está sozinho

No mesmo período ele conheceu Cecil Williams que foi como um “avô”. Cecil Williams era reverendo de uma igreja e foi quem garantiu a Chris e seu filho pudessem passar a noite em uma pensão para desabrigados. Essa pensão apenas aceitava mulheres e crianças, mas mesmo assim Cecil Williams abriu uma exceção e a oportunidade de dormir seguindo as regras rigorosas de horários que não permitiam atrasos nem dormir no mesmo quarto por mais de duas noites seguidas (outra diferença em relação ao filme em que Gardner não consegue a vaga). Além do lugar para dormir, Cecil Williams também conseguiu com que Chris e seu filho almoçassem na igreja sem enfrentar grandes filas já que Christopher era muito pequeno e a única criança do lugar.

Depois de algum tempo sem onde morar, Chris conseguiu uma casa barata para alugar. Ganhou alguns móveis de amigos e com ajuda de outros limpou o lugar que há dois anos estava fechado servindo de depósito. Também comia em um restaurante barato e acertou pagar de duas em duas semanas garantindo a alimentação.

 

A superação

A vida ainda era difícil, mas ficou melhor tendo uma chave e um teto para deixar suas tralhas que passaram a não ser mais companhia permanente. Apesar da vida complicada Chris Gardner evoluía no trabalho conquistando clientes importantes e sendo sempre destaque do dia.

Depois de um bom tempo na Dean Witter, Chris recebeu uma excelente proposta e trocou a empresa por outra que oferecia cinco mil dólares por mês (cinco vezes mais), a Bear Stearns (1983-1987). Empresa essa que ajudou Chris a crescer muito nos negócios. Num curto período de tempo Chris conseguiu clientes que pagavam cerca de duzentos mil dólares por ano. Chris já era um grande destaque na Bear Stearns. O suficiente para garantir passaporte e ir trabalhar em Nova York, mais precisamente na sede da Bear Stearns e onde o mercado é super aquecido e com metas muito maiores. Mais uma vez Chris conseguiu fazer negócios grandiosos se destacando acima da média e ganhando clientes milionários (sua primeira negociação na Bear, conseguiu cerca de sete milhões em papéis se tornando muito expressivo no mercado. Nessa altura Chris e seu filho já moravam em uma belo apartamento com todo o conforto que jamais tiveram antes.

A vida dá voltas e para Chris Gardner isso aconteceu também no amor. Sua ex-esposa Jackie Medina que o pressionava para conseguir emprego, desencorajava-o para não tentar uma vaga no mercado de ações e ainda chamou a polícia para prendê-lo, tentou voltar ao casamento, mas Chris Gardner mesmo chegando a pensar no assunto, não quis voltar, então os dois permaneceram separados. Mesmo assim, Chris ajudou Jackie financeiramente levando a ex-esposa para morar em Los Angeles relativamente perto de onde trabalhava, assim garantindo que seus dois filhos tivessem pai e mãe mais presentes e também a tranquilidade necessária para se dedicar integralmente ao trabalho que nesse estágio era extremamente competitivo.

 

Empreendendo com sucesso

Em 1987, Chris Gardner funda sua empresa Gardner Rich & Co na sua casa com um investimento inicial de 10 mil dólares, a empresa cresce e ele vende parte minoritária recheando sua conta bancária com mais de trezentos milhões de dólares. No caminho da vitória Chris compra duas Ferraris. Uma vermelha igual a de Bob Bridges, seu primeiro conselheiro no ramo dos negócios e uma preta de nada mais, nada menos que Michael Jordan. Não esquecendo suas raízes, Chris investiu ainda, cerca de cinquenta milhões de dólares para ajudar em um projeto social de San Francisco. Projeto esse criado por Cecil Williams, quem o ajudou no quando vivia na dificuldade. Frequentemente viaja para África onde conheceu o presidente Nelson Mandela e hoje além de cuidar dos seus negócios, se dedica a dar palestras motivacionais contando a sua vida para o mundo.

Guardadas as devidas proporções, o fato é que todos nós enfrentamos desafios e dificuldades que podem parecer intransponíveis e histórias como esta nos ajudam a entender que perseverança, foco em nossas qualidades e um olhar positivo sobre os fatos são como combustível de alta qualidade que nos mantém em movimento progressivo e constante em busca da superação e realização dos objetivos.

Em época de crise e transformações é preciso se reinventar e traçar novos rumos que podem nos levar a superação e ao sucesso. Essa é nossa mensagem de fim de ano para todos, empreendedores ou não, olhar o presente como oportunidade de construir um futuro mais promissor e acreditar no que parece impossível. Ter sonhos, garra, vontade de crescer e ser melhor, para que nossa história possa inspirar outras pessoas quando estas estiverem atravessando suas dificuldades.

Um grandioso e excelente 2018!

 

Texto: Ana Krüger

Fonte de consulta: https://pt.wikipedia.org/wiki/Chris_Gardner#cite_note-2

Um comentário em “Estamos todos à procura da felicidade?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s