Ninguém disse que seria fácil

CARMINHA MEU BEM

Há uma música famosa da banda Coldplay que diz: Ninguém disse que era fácil, mas ninguém disse que seria tão difícil assim. Apesar da música se tratar de um relacionamento rompido, não é isso que é o mais difícil. É aquilo que você faz com o que sobrou que é a parte mais compicada de viver. Especialmente quando você olha para trás e se pergunta: “Onde foi que eu estive durante esses 20 anos?”

Ainda tenho outros 20 para reconstruir minha vida, e mais 20 podem me ser agraciados se eu tiver a sorte de ser a velhinha tatuada de cabelo azul que pretendo ser. Mas como fazer isso? Tem sido a pergunta que não me sai da cabeça. Fiz uma pós-graduação, conquistei uma nova profissão e participei de congressos, encontrei uma pessoa legal para viver alguns bons momentos. Mas e todo o resto? Como lidar com esse vazio insistente (na…

Ver o post original 221 mais palavras

A vida e a aula de Pilates

CARMINHA MEU BEM

Estou eu na minha aula de Pilates. A minha linda fisioterapeuta me faz executar movimentos que penso serem impossíveis. Penso aqui comigo que o Pilates se assemelha à nossa vida. Para executar os movimentos, é preciso ter flexibilidade e autocontrole. Começo a refletir sobre os momentos difíceis que vivi, e o quanto essas duas qualidades foram necessárias. E no futuro serão ainda mais, tanto no que diz respeito ao meu corpo, quanto às minhas habilidades emocionais e psicológicas.

Flexibilidade para me adaptar ao novo. Novos movimentos e novas ideias, sem romper nenhum músculo ou ligamento, mas rompendo paradigmas e pre-conceitos. Adaptação. Sempre fui uma pessoa de mente aberta. A diferentes religiões, a diferentes estilos de vida, a formas diversas de ver o amor e a sexualidade. Flexibilidade para perceber que há outras formas de pensar além da minha. Estudar e ler sobre outras culturas me faz sair de meu umbigo.

Autocontrole para…

Ver o post original 137 mais palavras

O sucesso é uma questão de escolha?

Histórias inspiradoras de quem está no fundo do poço e consegue dar a volta por cima, tornando-se exemplo de sucesso, sempre me atraem. São como provas de que o poder de transformar nossas vidas está, realmente em nossas mãos, sendo uma questão de escolha e decisão. Já estive em situações que exigiram de mim muita perseverança, fé e disciplina para obter sucesso sobre diante das dificuldades. Meu maior desafio foi enfrentar o câncer de mama aos 39 anos de idade, numa época em que eu estava absorvida pelas atividades como empresária. Agenda cheia e projetos profissionais para os próximos 12 meses, mas que desconsideravam coisas importantes, tais como tempo para a família, lazer e o tão necessário  descanso. Então, ao receber a notícia sobre a doença, foi como se o cenário que me continha tivesse sumido de repente e eu estava planando no nada, desesperadamente sem chão. Porém, instantaneamente naquele momento, tudo que eu havia programado para o ano de 2009, tornou-se desimportante e meu instinto de sobrevivência fez com que eu concentrasse todos os meus esforços no forte propósito da cura, e foi a melhor decisão da minha vida. Aquele ano de cirurgias, disciplina alimentar, exercícios, busca espiritual e equilíbrio mental, além de me salvar, transformou para melhor minha maneira de pensar o mundo e as relações.

Ao ler uma matéria sobre Khalil Rafati, 46, ex-desabrigado e viciado em heroína que vivia na periferia da cidade de Los Angeles e deu uma guinada na vida, tornando-se um milionário, reforçou a ideia de que o poder de escolha está em nossas mãos. Dono da SunLife Organics, rede de sucos naturais e orgânicos, fundada na praia de Malibu, Rafati, conta em seu livro “Eu esqueci de morrer” sobre uma infância permeada por abusos sexuais; o envolvimento com drogas, consumo e tráfico e as overdoses que quase o levaram a morte, até o momento em que decidiu dedicar a sua energia à saúde e à sobriedade. Foi quando descobriu o poder dos sucos e das “super comidas” e começou a desenvolver as suas próprias receitas que fazia para os pacientes de um centro de reabilitação que fundou em 2007 nas redondezas de Malibu Times. Ao perceber que suas criações estavam ajudando na saúde das pessoas, resolveu fundar a SunLife. Seu propósito era claro: “amar, curar e inspirar”. Hoje, estas três palavras estão escritas nos uniformes dos colaboradores e fazem parte da identidade visual da marca. Esta autêntica missão, que partiu de uma decisão tomada para salvar a própria vida, inspira e norteia os negócios de Khalil Rafati.

                Pensando no âmbito do aprendizado individual: será que precisamos nos perder para encontrar a nossa própria verdade? E encontrando-a, é certo que o universo conspira a nosso favor em prol do bem comum, colocando as oportunidades e pessoas certas em nosso caminho para que possamos obter sucesso? Agora, trazendo este lindo exemplo de superação humana para o ambiente de negócios e dando sequência ao raciocínio, podemos dizer que um dos fundamentos do sucesso é o alinhamento da nossa verdade com a necessidade de outras pessoas, gerando valor aos produtos e serviços criados a partir desta premissa? Segundo Stuart R. Levine saiba mais, consultor com experiência de 30 anos trabalhando com executivos de alto nível, sim. Pois, agir com honestidade e verdade, investir nas relações, comunicar-se bem, saber apresentar resultados e ampliar a sua perspectiva de vida, agregando valor à marca, são os seis mandamentos básicos para quem quer brilhar profissionalmente, afirma Levine em seu livro “Seis fundamentos do sucesso profissional”.

Fica aí a dica de leitura e o exemplo de Khalil Rafati para buscarmos inspiração e força na construção da nossa própria história de sucesso. Um grande abraço e deixe seu comentário, será uma satisfação saber o que você pensa sobre este assunto.

Saiba vantagens e desvantagens.

Essa é uma pergunta que muitos empresários se fazem diante de um cenário digital que vem crescendo dia-a-dia.  Até pouco tempo atrás, ações de marketing digital eram apenas um apoio às estratégias das empresas, sendo que somente algumas arriscavam investir neste tipo de divulgação. Porém, o acesso à internet foi crescendo entre os consumidores e se popularizou através dos smartsphones, que permitem a conexão full time e a pesquisa de informações sobre produtos e serviços, com facilidade, segurança e praticidade. As pessoas tem, literalmente, à mão, o mundo inteiro, podendo conhecer melhor tudo o que desejam e ainda, obter a opinião de outros consumidores, antes de se decidirem pela compra. Ou seja, em razão dessas facilidades, nossas relações e hábitos estão se reproduzindo cada vez mais no ambiente virtual e fazer compras é uma delas.

O alcance imbatível, a alta velocidade de divulgação e o ROI (retorno de investimento) são fatores que justificam a grande capacidade do marketing digital em aumentar vendas, e assim, tornar a marca competitiva neste meio tornou-se foco das empresas e também um grande desafio. O que antes era apenas um plus, converteu-se em diferencial.

Então, como responder a pergunta que deu início ao nosso post? Onde investir, no marketing offline ou no online? Bem, antes de responder a esta questão é importante não esquecer alguns pontos que nunca mudarão quando se busca criar uma estratégia de marketing de sucesso, tais como: analisar com atenção o mercado, a concorrência, o público e os próprios objetivos. As ferramentas do marketing offline, ou tradicional como é conhecido, durante muito tempo foram as únicas opções para se fazer negócios. Porém, hoje, anúncios em rádio e TV, panfletos, eventos, outdoors e outros recursos dividem espaços com campanhas digitais. Isto é sinal de que os dois estão disputando as verbas de marketing, mas a escolha entre um e outro, ou ainda, optar pelos dois simultaneamente, irá depender da estratégia adotada.

O que torna-se evidente é que fazer marketing de resultado está cada vez mais complexo e as empresas precisam escolher bons profissionais para o seu time, assim como contratar agências detentoras de know how para ambas as mídias, online e offline. É a realidade que enfrentamos agora e negar isso é ficar fora do mercado competitivo.